mobilitec

ergometrica

Ortopedia Moderna

Lismedica

Mais que Cuidar
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Pros Avos

Ortopediareal
sembarreiras

Tecnomobile

TotalMobility

Multihortos

Drive Mobility

Autor Tópico: Sugestão para apresentação  (Lida 3452 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online migel

  • Administrador
  • *****
  • Mensagens: 18215
  • Tem deficiência: Sim
Sugestão para apresentação
« em: 16/02/2010, 13:49 »

!!

This Topic is locked
Pede-se a todos os membros que façam neste quadro a sua apresentação.
Para assim ficarem conhecido neste forum...Sugere-se que quando se apresentem digam algo relacionado convosco, objectivos, espectativas, etc.



 

Offline Numpe

  • Utilizador
  • *
  • Mensagens: 49
Re:Sugestão para apresentação
« Responder #1 em: 09/03/2010, 10:31 »

!!

This Topic is locked
Sugiro que este espaço não funcione apenas como espaço de apresentação, mas como uma especie de blog ou um espaço em que vamos falando sobre nós se assim o desejar-mos :)

Abreijos

Offline Jacy Nunes

  • Utilizador
  • *
  • Mensagens: 5
Re:Sugestão para apresentação - Continuo caminhando...
« Responder #2 em: 04/05/2010, 05:38 »

!!

This Topic is locked
 :good:Continuo caminhando...

Seguindo a sugestão de Migel e concordando com a idéia de Numpe, estou aqui para relatar um pouco de mim, menos para falar das minhas frustrações e vitórias, mas muito para desabafar algo que sempre necessitei explanar para alguém, mas que sempre me faltou coragem e ouvidos que estivessem dispostos a me ouvir. E por ironia do destino, aqui estou. Uma grande ironia porque se este fórum existisse há alguns anos com toda a certeza não iria participar. E seria capaz até de odiar o fundador por fazer algo, que na minha cabeça, só iria transparecer ainda mais a minha condição de deficiente. Isso mesmo, eu fugia. Me escondia por trás dos medos das pessoas conhecidas que tinham receio de mencionar qualquer coisa relacionada com minha deficiência, julgando que eu poderia tentar suicídio ou entrar numa depressão profunda.
Escondia-me por detrás da compaixão e do sentimento de pena das pessoas como se isso escondesse a minha deficiência física. E não escondia. Bastava que eu andasse e quando não andava um aparelho horrendo, que segurava minhas pernas para manter-me de pé, mostrava a realidade da minha vida e da minha condição. Então eu me desesperava, chorava para não ir à escola. Difícil era a tarefa dos adultos de proibir as crianças de olharem para mim ou de me apelidarem com conceitos pejorativos. Aleijada e capenga foram os mais leves, embora ainda me sinta incomodada com expressões tipo: As aulas são capengas, não tem professor...
Em casa minha mãe fazia questão de mostrar minha condição. Não pode brincar disso! Cuidado! Hoje entendo que mais que preocupada com minhas limitações físicas, a minha saúde mental era o que mais lhe tirava o sono. Ela percebia minha tentativa de fuga da realidade e queria que eu enfrentasse as minhas dificuldades. E não foi psicólogo, embora tenha consciência da importância desse profissional, que me fez enxergar a crua realidade.
Um par de patins rosa que minha mãe comprou para minha irmã. Chorei, chorei antes de minha mãe entrar em casa e entregar o presente para a caçula.  E depois de ouvir as desculpas de minha mãe dizendo que eu poderia “dar jeito na perna” caso tentasse patinar eu lhe fiz um desafio.
- se eu conseguir andar no patins de minha irmã e não cair a senhora terá que comprar um para mim, se eu cair esqueço o patins. 
Minha mãe aceitou o desafio e depois de alguns dias eu estava pelas ruas do meu bairro patinando com meus amigos e com meus patins. Depois disso, passei a não ter mais vergonha de andar, de passear e até paquerar (fui namoradeira na adolescência que só vendo). Não me atingia mais os comentários maldosos. Hoje, 18 anos depois, entendo que o desafio que fiz não foi para mim mãe. Eu fiz um desafio para mim. Quebrei meus estigmas negativos e mostrei para meu eu que sou capaz, que posso, que sou e o fato de ter nascido com uma deficiência não significava um destino de tristeza e de solidão. Sou jornalista formada pela Universidade do Estado da Bahia – UNEB e faço Pós-Graduação em Jornalismo Científico na Universidade Federal da Bahia – UFBA. Tenho vários amigos portadores de necessidades especiais.
Continuo ouvindo comentários pré-conceituosos e presenciando desrespeito aos direitos dos deficientes, mas sigo com garra, pois sei que só cheguei apenais a um degrau da longa escada.
Bom agora vou dormir..é 01:31h tenho que acordar cedo.
Bjos e fiquem todos com Deus.




Share me

Digg  Facebook  SlashDot  Delicious  Technorati  Twitter  Google  Yahoo
Smf

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo