mobilitec

ergometrica

Ortopedia Moderna

Lismedica

Mais que Cuidar
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Pros Avos

Ortopediareal
sembarreiras

Tecnomobile

TotalMobility

Multihortos

Drive Mobility

Últimas Mensagens

Páginas: 1 [2] 3 4 ... 10
11
Maia recebe primeiros Jogos de Equitação Adaptada


 
A Câmara Municipal da Maia em parceria com o Pony Club do Porto e o Centro Equestre da Maia, vai organizar no próximo dia 8 de Setembro os 1º Jogos de Equitação Adaptada da Maia, como abertura da VI Feira do Cavalo da Cidade Maiata que decorrerá de 8 a 10 de Setembro no Hipódromo da Maia.

Os 1º Jogos de Equitação Adaptada da Maia destinam-se a todos os atletas com necessidades educativas especiais, tendo como objetivo principal proporcionar o acesso ao cavalo na vertente de competição.

A organização pretende também permitir a todos os participantes a possibilidade de mostrarem os seus conhecimentos equestres num dia onde as palavras-chave serão a interajuda e boa disposição.

Durante todo o dia decorrerão diferentes provas de Equitação Terapêutica e Adaptada onde o público em geral, para além de poder assistir às provas, pode usufruir durante a visita ao Hipódromo da Maia, de um “batismo a cavalo”, com ajuda de técnicos, para sentirem um pouco a aventura deste desporto.

A entrada é livre.

Fonte: http://www.noticiasmaia.com/maia-recebe-primeiros-jogos-de-equitacao-adaptada/
12
Apresentações & Regras / Bem vindo m137243553
« Última mensagem por Neo em 18/08/2017, 10:58 »
Bem-Vindo m137243553 ao Deficiente-Forum.  

Agradecemos a tua inscrição no nosso Fórum e esperamos poder ajuda-lo no que for preciso, também esperamos poder aprender muito com a sua sabedoria e disponibilidade para o que seja necessário.

Faça agora sua apresentação neste post.

Obrigado
A Administração
13
Notícias de saúde / Queixas dos doentes revelam fragilidades na Saúde
« Última mensagem por Claram em 18/08/2017, 10:41 »
Queixas dos doentes revelam fragilidades na Saúde

ERS revela recomendações a hospitais que lesaram utentes no acesso aos cuidados.

Por Sónia Trigueirão|12.08.17

Tratamentos oncológicos fora de prazo, falta de material e tempos de espera estão entre as queixas dos utentes Nuno Lourenço 82 0Doentes oncológicos que não fizeram tratamentos coadjuvantes por perda da janela terapêutica útil, um doente informado que a cirurgia efetuada não tinha nada a ver com a prescrita e para a qual foi emitido um vale e uma doente de 88 anos que morreu à espera de uma prótese. Estas são algumas das queixas de doentes que se sentiram lesados e que estão na origem de instruções da Entidade Reguladora da Saúde (ERS). Na primeira, o Hospital do Barreiro informou que os doentes entraram em remissão em maio passado. A ERS recomendou que a unidade deve garantir "o acesso a tratamentos oncológicos em tempo útil", adequados às necessidades dos doentes e que "devem ser prestados humanamente, com prontidão e respeito pelo utente". Na questão da cirurgia, à Confraria Nossa Senhora da Nazaré e ao Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), a ERS referiu que devem garantir que "o atendimento dos utentes se processe dentro das regras do programa de combate às listas de espera (SIGIC). Na queixa da prótese, foi recomendado que o CHUC implemente procedimentos que garantam a entrega atempada e em tempo útil de próteses endovasculares. PORMENORES  Taxas moderadoras Os centros hospitalares Lisboa Norte e Cova da Beira também foram alvo de recomendações da ERS devido "a constrangimentos na aplicação do regime jurídico das taxas moderadoras". Um doente oncológico e uma grávida, apesar de isentos, tiveram de pagar taxas moderadoras. Acesso às urgências A ERS recomendou aos hospitais Beatriz Ângelo, em Loures, e Garcia de Orta, em Almada, que implementem procedimentos para garantirem que, nas urgências, os utentes sejam devidamente monitorizados.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/sociedade/detalhe/queixas-dos-doentes-revelam-fragilidades-na-saude?ref=HP_TickerCMAoMinuto


Fonte; CM
14
Notícias de saúde / Células do sangue do cordão umbilical
« Última mensagem por migel em 18/08/2017, 10:04 »
Células do sangue do cordão umbilical

no dia 16 de Agosto de 2017

Recentemente, um grupo de investigadores canadianos publicou, na revista científica Stem Cells Translational Medicine, os resultados de um estudo em modelo animal sobre a administração de células estaminais do sangue do cordão umbilical para melhorar a circulação sanguínea. A investigação teve como objetivo encontrar uma nova forma de tratamento para a Doença Arterial Periférica (DAP).

O estudo consistiu em isolar um determinado grupo de células estaminais do sangue do cordão umbilical que produzem grandes quantidades de uma enzima, a aldeído desidrogenase, capaz de acelerar a recuperação de lesões provocadas pelo deficiente fornecimento de oxigénio às células. Os investigadores conseguiram isolar e multiplicar com sucesso estas células do sangue do cordão umbilical e verificaram que, quando injetadas em ratinhos com DAP, estas foram capazes de melhorar a circulação sanguínea do membro afetado, sete dias após o tratamento. Considerando os resultados obtidos, o mecanismo envolvido neste efeito benéfico deverá ser a secreção de moléculas que potenciam a formação de novos vasos sanguíneos.

 

“As doenças cardiovasculares continuam a representar uma das principais causas de morte em Portugal. Atualmente, 55% da população portuguesa apresenta dois ou mais fatores de risco de doença cardiovascular e, na Europa, estas doenças representam 54% dos custos totais em saúde. Esta área tem sido, por isso, alvo de intensa investigação científica, com o intuito de desenvolver terapias mais eficazes”, refere a Dra. Bruna Moreira, Investigadora no Departamento de I&D da Crioestaminal.

E acrescenta: “Efetivamente, considerando os resultados obtidos no estudo, o sangue do cordão umbilical, livre de disfunções relacionadas com doenças crónicas e envelhecimento, apresenta um grande potencial para utilização no tratamento de DAP. As células estaminais da medula óssea dos pacientes, testadas numa primeira fase para tratar DAP, não permitiram obter os resultados desejados”.

A doença arterial periférica (DAP) é uma doença cardiovascular que se caracteriza pela obstrução das artérias, geralmente dos membros inferiores, conduzindo a um deficiente fornecimento de oxigénio às células e eventual morte celular. A DAP pode causar dor e, nos casos mais graves, feridas ou mesmo gangrena, que podem ter como consequência a amputação de membros.


In  PCD
15
Apresentações & Regras / Re: Bem vindo paulomiguel
« Última mensagem por migel em 18/08/2017, 08:35 »
Bem vindo.
Agradeço seu registo e desejo td de bom na nossa companhia.

 :abraco:
16
Apresentações & Regras / Re: Bem vindo paulomiguel
« Última mensagem por paulomiguel em 17/08/2017, 21:59 »
Ola boa noite sou o Paulo e sou de Faro.
Agradeço o facto de me terem aceito como membro deste forum.
Obrigado
17
Apresentações & Regras / Bem vindo paulomiguel
« Última mensagem por Neo em 17/08/2017, 21:57 »
Bem-Vindo paulomiguel ao Deficiente-Forum.  

Agradecemos a tua inscrição no nosso Fórum e esperamos poder ajuda-lo no que for preciso, também esperamos poder aprender muito com a sua sabedoria e disponibilidade para o que seja necessário.

Faça agora sua apresentação neste post.

Obrigado
A Administração
18
Apresentações & Regras / Bem vindo rui borges
« Última mensagem por Neo em 17/08/2017, 21:26 »
Bem-Vindo rui borges ao Deficiente-Forum.  

Agradecemos a tua inscrição no nosso Fórum e esperamos poder ajuda-lo no que for preciso, também esperamos poder aprender muito com a sua sabedoria e disponibilidade para o que seja necessário.

Faça agora sua apresentação neste post.

Obrigado
A Administração
19
Noticias / AINDA A PRESTAÇÃO SOCIAL PARA A INCLUSÃO
« Última mensagem por migel em 17/08/2017, 18:46 »
AINDA A PRESTAÇÃO SOCIAL PARA A INCLUSÃO



Porque as dúvidas são muitas e este documento é de muito mais fácil leitura que os documentos que o governo fez sobre o assunto, aqui fica para consulta.

Nova Prestação Social para a Inclusão apoia pessoas com deficiência

A nova Prestação Social para a Inclusão (PSI), que resulta da reorganização em curso do Sistema de Segurança Social, irá conceder proteção social continua ao longo da vida, desde que se deteta a condição de deficiência ou incapacidade. O objetivo é simplificar a relação com os beneficiários, adequar os benefícios sociais à realidade e tornar os apoios mais eficazes.

Uma das inovações que deverá simplificar o sistema é o alinhamento do conceito de deficiência inerente à elegibilidade para a prestação e do respetivo procedimento de certificação, com outras áreas sectoriais: sistema fiscal, da saúde, da segurança social, do mercado de trabalho, dos transportes, entre outros. Para todos os casos, a proteção social será atribuída às pessoas com deficiência em função do grau de incapacidade, certificado por atestado multiusos de incapacidade, atribuído por junta médica.

A entrega do requerimento único para acesso à prestação só começará quando a medida estiver totalmente implementada, previsivelmente em 2019.

O documento com a proposta para a PSI foi alvo de audição pública, que terminou hoje, 17 de março. Seguem-se sessões públicas de esclarecimento pelo Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS), em Lisboa, a 20 de março, Coimbra e Porto a 24 de março.

Prestação Social para a Inclusão

A Prestação Social para a Inclusão é uma prestação em dinheiro, de €260, paga mensalmente (12 mese) a pessoas com deficiência ou incapacidade, para compensar os encargos acrescidos por via da deficiência e apoiar as pessoas com deficiência/ incapacidade em situação de pobreza.

Destina-se a pessoas:

    com 18 ou mais anos, com deficiência ou incapacidade permanente, congénita ou adquirida antes dos 55 anos, certificada por atestado médico de incapacidade multiuso com um grau de incapacidade igual ou superior a 60%;
    a partir dos 55 anos e inferior à idade normal de reforma (atualmente 66 anos e 3 meses), desde que a sua incapacidade tenha sido certificada antes dos 55 anos, através de atestado médico de incapacidade multiuso.

O acesso à prestação é independente da situação familiar, pelo que apenas são considerados os rendimentos da pessoa com deficiência, sem influência do estado civil possa ter no acesso ao apoio.

A nova PSI vai englobar:
- beneficiários atuais do Subsídio Mensal Vitalício;
- beneficiários atuais da Pensão Social de Invalidez;
- estender a cobertura de proteção social a novos beneficiários.

O Subsídios Mensal Vitalício e a Pensão Social de Invalidez vão ser extintos.

A PSI tem três componentes:

    Componente Base: está associada à compensação de encargos não específicos que derivam da condição de pessoa com deficiência ou incapacidade.

Para graus mais elevados de incapacidade é assegurado o direito à totalidade da componente Base, independentemente do nível de rendimentos:
- incapacidade igual ou superior a 80%, certificada através de atestado médico de incapacidade multiuso;
- idade a partir dos 18 anos e inferior a 55 anos; ou
- pessoas com idade entre os 55 e a idade normal de reforma e atestado médico de incapacidade multiuso obtido antes dos 55 anos.

Para graus de incapacidade iguais ou superiores a 60% e inferiores a 80%: a componente Base pode ser acumulada com rendimentos da pessoa com deficiência ou incapacidade, sendo a sua modelação mais favorável na acumulação com rendimento de atividade profissional.

    Complemento: está associada ao combate à pobreza da pessoa com deficiência ou incapacidade. Tem em consideração os recursos familiares, mas simultaneamente incorpora mecanismos de promoção da participação laboral, e de diferenciação em função das necessidades das pessoas com deficiência ou incapacidade.
    Majoração: traduz-se no apoio à pessoa com deficiência ou incapacidade na compensação de encargos específicos efetivamente comprovados em domínios específicos. Esta componente está atualmente em desenvolvimento, procurando-se simplificar o processo de compensação por encargos específicos efetivamente realizados.

Montantes de referência da PSI

Componente Base

A componente Base tem um valor de referência de 260 euros por mês, pagos em 12 meses, num máximo de € 3.120 por ano. Mas nem todos poderão recebê-la por inteiro. Assim, estão previstos limiares de acumulação com rendimentos de trabalho e com rendimentos provenientes de outras fontes de rendimento, nomeadamente, outras prestações sociais.

Os limites de acumulação da componente Base com rendimentos do trabalho tem por base o valor da Retribuição Mínima Mensal Garantida (RMMG), atualmente de €557 e o nível de rendimentos acima do qual há lugar a incidência fiscal em sede de IRS (€8.500). Para valores mais baixos de rendimento de trabalho, há apoio por parte da nova prestação social e, para rendimentos mais elevados, a pessoa com deficiência usufrui do apoio dos benefícios fiscais.

Situações de acesso à componente Base por inteiro:

Veja mais aqui:  https://ind.millenniumbcp.pt/pt/geral/fiscalidade/Pages/atualidades_legais/2017/marco/Nova-Prestacao-Social.aspx
20
Aniversários / Re: Aniversario hugo 17.08.2017
« Última mensagem por migel em 17/08/2017, 18:18 »
Parabéns e muitas felicidades..   :brinde:
Páginas: 1 [2] 3 4 ... 10


Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo