iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Anuncie Aqui

mobilitec
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Anuncie Aqui

TotalMobility
myservice

Tecnomobile

Anuncie Aqui

Multihortos

Drive Mobility

Autor Tópico: Miguel Monteiro: futuro engenheiro tem o museu cheio  (Lida 85 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online SLB2010

Miguel Monteiro: futuro engenheiro tem o museu cheio

Lançador de peso celebra ouro na Polónia depois de já ter brilhado em Europeus e Mundiais
 
 


Por esta altura, Miguel Monteiro poderia ser um dos portugueses em destaque nos Jogos Paralímpicos de Tóquio, mas o adiamento do evento para 2021, devido à Covid-19, não alterou o rumo do lançador de peso. Aliás, ele está imparável. O jovem, de 19 anos, conquistou no mês de agosto medalhas de ouro no Meeting da Polónia não só na sua especialidade mas também no lançamento do dardo e martelo. Isto depois de já ter sido segundo classificado nos Mundiais (2017) e Europeus (2018) de atletismo paralímpico na categoria F 40 (baixa estatura). O atleta parece ter um dom para brilhar nas grandes competições e explica os segredos ao nosso jornal. “Tento concentrar-me, mantendo-me ativo e relaxado em simultâneo. Procuro impedir que o nervosismo venha ao de cima. Eu sei que o trabalho já está lá antes das provas. Aí, tento dar o meu máximo. É isso que deve ser feito”, adianta a Record.

Natural de Mangualde, Miguel Monteiro é o português mais jovem de sempre a ter atuado nos Jogos Paralímpicos. Tinha 15 anos no Rio’2016. Na verdade, adora vários desportos. “Comecei a praticar natação aos 16 ou 18 anos e depois passei para o futsal, que larguei a seguir ao Rio’2016. Optei pela universidade e pelo lançamento do peso, que me iriam dar mais benefícios”, explica, além de abordar a forma como gere o tempo. “Antes da pandemia, quando tinha um intervalo nas aulas de uma hora ou duas horas aproveitava para ir treinar. A Universidade de Aveiro tem ginásio e desde o início que me deixam treinar”, conta o jovem atleta.


Miguel Monteiro, de resto, olha com otimismo para um futuro desportivo que aparenta ser brilhante. “Os meus objetivos passam sempre por melhorar as marcas pessoais. Depois, se for possível, que venham as medalhas. Espero que tudo isto [a pandemia] passe rápido para voltarmos às grandes competições”, sublinha.

Apelo à adesão ao desporto adaptado

Miguel Monteiro procura dar o seu exemplo bem-sucedido para incentivar à adesão ao desporto paralímpico. “Apelo muito para que as pessoas com uma debilidade venham sempre experimentar. Há muitas modalidades. Não tem havido adesão dos mais jovens. As Seleções estão a ficar mais envelhecidas e isso é problemático”, afirma. À margem do tema, o lançador de peso aborda sem tabus o facto de ter uma baixa estatura. “Vejo isto de uma forma natural. Quem me conhece sabe que eu até brinco com a situação. Penso que é a melhor forma de lidar com a situação”, realça Miguel. “Claro que às vezes as crianças fazem perguntas. Têm ingenuidade ao verem pessoas de baixa estatura. É preferível fazerem questões. Quando se trata de pessoas mais velhas, são casos diferentes. Por acaso, tenho a sorte de viver num espaço em que não há grande lugar a preconceitos”, destaca o atleta.


Fonte: Record
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo