iacess

ergometrica

Anuncie Aqui

Liftech

mobilitec
onlift

Autopedico

Invacare

TotalMobility

Rehapoint
myservice

Tecnomobile

Liftech

Multihortos

Anuncie Aqui

Autor Tópico: Paixão pelo basquetebol adaptado leva atleta paraplégico a fazer 2000 quilómetros por mês  (Lida 287 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online migel

 

Paixão pelo basquetebol adaptado leva atleta paraplégico a fazer 2000 quilómetros por mês

Por Fernando Pires
31 Maio, 2023 • 11:39

Uma verdadeira lição de vida. Um transmontano de 33 anos, paraplégico, que teima em quebrar todas as barreiras para poder desfrutar de uma paixão. Há uma década, todos os meses, pega na viatura e faz mais de dois mil quilómetros, entre Mirandela e Paredes, no distrito do Porto, porque no seu distrito (Bragança) não tem clubes a competir.


Paulo Araújo é natural de Contins, concelho de Mirandela, nasceu, há 33 anos, com uma deficiência motora grave, resultante de uma doença congénita, chamada espinha bífida. Paulo Araújo já foi submetido a 19 intervenções cirúrgicas para tentar aumentar o seu grau de mobilidade. Atualmente tem 90 por cento de incapacidade.

Mas isso nunca foi motivo para esmorecer e sempre quis ser o mais autónomo possível. Começou a praticar basquetebol em cadeira de rodas, com 11 anos, incentivado por um amigo que praticava a modalidade.


Como não havia competição, em Mirandela, procurou outras paragens representando associações de Bragança, Chaves e Vila Pouca de Aguiar, até que, em 2012, surgiu a oportunidade de ingressar na equipa da Associação Portuguesa de Deficientes de Paredes, no Porto, onde ainda se mantém. Paulo admite que não tem sido fácil manter esta paixão, porque os custos são enormes e os apoios escassos. Paredes fica a mais de 130 quilómetros de distância e tem de fazer essa viagem, ida e volta, pelo menos duas vezes por semana, mais os jogos que tem ao fim de semana. Feitas as contas, passa dos 2 mil quilómetros por mês. "Continua a não haver verbas para a modalidade, não há patrocínios, tenho alguns pessoais, mas que não chegam para as despesas. É mesmo o gosto e paixão pelo basquetebol que não me permite desistir", refere o mirandelense que agora tem uma nova cadeira para competir fruto de uma comparticipação da Associação de Basquetebol de Bragança e do Município de Mirandela.


Paulo Araújo admite que só mesmo uma grande paixão pela modalidade é que o ajuda a superar o desgaste de uma década de constantes deslocações e mais complicado se tornou, desde 2018, altura em que começou a trabalhar como operador de call center. "Muitas vezes saio tarde do trabalho, depois vou equipar à pressa, arranco para Paredes e depois chegar à meia-noite, ou uma da manhã a casa e no dia seguinte de manhã ter de voltar ao trabalho já começa a pesar", admite.



Fonte: TSF
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Anuncie Connosco Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
     
Voltar ao topo