iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Liftech

mobilitec
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Ortopedia Real

TotalMobility
myservice

Tecnomobile

Liftech

Multihortos

Drive Mobility

Autor Tópico: Representação de pessoas com deficiência em Hollywood deu um passo em frente com dois dos filmes nom  (Lida 330 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online migel

 
Representação de pessoas com deficiência em Hollywood deu um passo em frente com dois dos filmes nomeados aos Óscares deste ano
L.S. / AFP
20 ABR 2021 16:57

ÓSCARES 2021
"Deaf U": nova série documental da Netflix segue um grupo de estudantes surdos e quer fazer a diferença

Mudanças profundas nos Óscares: Academia impõe regras de diversidade na corrida a Melhor Filme

A CAMINHO DOS
 
ÓSCARES 2021
Representação de pessoas com deficiência em Hollywood deu um passo com dois dos filmes nomeados aos Óscares deste ano.



A corrida aos Óscares deste ano inclui um filme sobre um baterista com perda auditiva nomeado para seis Óscares, um documentário que explora um acampamento hippie para jovens com deficiência e a primeira produção protagonizada por um ator surdo e cego.

É um passo para a representação de pessoas com deficiência em Hollywood, disseram à France Press os cineastas nomeados, mas um avanço que precisa de um trabalho contínuo para evitar que seja um acontecimento raro nos nossos ecrãs, como já aconteceu antes.

Conheça a lista completa de nomeados aos Óscares

Até agora, os produtores de Hollywood "não fizeram um grande trabalho, mas eles sabem disso, estamos a tomar consciência", disse o ator secundário nomeado por "Som do Metal" Paul Raci, que foi criado por pais surdos.

"Sou um dos tipos que têm que estar à frente para não deixar a bola cair... mantendo-os atualizados sobre todos os artistas surdos que temos, todos os artistas com deficiência, todos os génios que estão por aí, todas as histórias não contadas", explicou.

A cautela é compreensível. Este é um caminho que Hollywood já tentou percorrer antes, mas com pouca sensatez. Em 1948, Jane Wyman ganhou um Óscar por interpretar uma mulher surda em "Belinda, a Escrava do Silêncio", para Raci um papel extremamente irritante.


Paul Raci
O verdadeiro progresso aconteceu em 1987, quando a atriz surda Marlee Matlin ganhou o prémio da Academia por "Filhos de um Deus Menor".

Mas até há pouco tempo, esta foi uma clara exceção à regra, mesmo quando Hollywood deu passos gigantescos no conteúdo inclusivo que envolve cineastas e questões das comunidades negra e LGBTQ.


"Muitas vezes, o grupo de pessoas com deficiência é deixado para trás enquanto outros sub-representados recebem atenção", disse Doug Roland, realizador da curta-metragem nomeada "Feeling Through".

Roland, que não tem deficiência, inspirou a sua curta-metragem num encontro noturno que teve com um homem surdo e cego que precisava de ajuda para atravessar uma rua em Nova Iorque.


Para a sua obra, escolheu o ator estreante Robert Tarango, a primeira pessoa surda e cega com um papel protagonista em qualquer filme, segundo os cineastas. E a própria Matlin trabalhou como produtora executiva.

"Este debate começou realmente a mudar muito significativamente para a comunidade de pessoas com deficiência, e estamos a ouvir vozes mais fortes", disse Roland.



A ascensão da representação da deficiência no entretenimento esbarra em preconceitos "muito profundos e difíceis de identificar", afirma Roland.

Esta comunidade "é frequentemente vista como 'menos que' de uma forma mais severa do que outras comunidades", ou até mesmo "quase como desumana", disse à France Press.

Raci, que interpreta em "Som do Metal" um conselheiro de vícios que perdeu a audição numa idade avançada, considera que "as pessoas temem o desconhecido".

"A surdez é uma deficiência oculta, ninguém carrega uma placa que diz 'sou surdo'", acrescentou.

Outro obstáculo para os atores com deficiência é o acesso físico aos estúdios e locais de rodagem, que nem sempre são equipados ou adaptados, por exemplo, para cadeiras de rodas ou pessoas cegas.


Um quarto da população mundial tem algum tipo de deficiência.

É a "maior população minoritária do mundo", mas apesar disso ainda é muito pouco representada, inclusivamente nos Óscares de 25 de abril, disse o ator Nic Novicki, que em 2013 iniciou uma iniciativa a exigir que pelo menos um membro do elenco ou da equipa seja portador de deficiência e que agora se transformou na Easterseals Disability Film Challenge.


Fonte: https://mag.sapo.pt/cinema/atualidade-cinema/artigos/som-do-metal-feeling-through-e-a-atitude-de-hollywood-perante-a-deficiencia-nomeados-aos-oscares-falam-em-momento-decisivo
 
Os seguintes membros Gostam desta publicação: Nandito

Online migel

 
A nossa revolução já começou!

Crip Camp não ganhou o Oscar de Melhor Documentário, mas pudemos ver a Passadeira Vermelha a ser ocupada por cadeiras de rodas e o palco preparado com uma rampa. Este é um momento histórico para as pessoas com deficiência, que nunca se sentiram verdadeiramente representadas nos filmes de Hollywood (e em todos os outros) e menos ainda na cerimónia dos Oscars.
Crip Camp retrata Camp Jened, um campo de férias para pessoas com deficiência, nos Estados Unidos, em plenos anos 70. Naquele clima informal e de empoderamento mútuo, nasceu o movimento de pessoas com deficiência, que viria a revolucionar o mundo do ativismo e a luta pelos seus direitos humanos e civis.
Vejam, revejam e divulguem. Este documentário não pode passar despercebido!



Texto de Jorge Falcato (facebook)
 
Os seguintes membros Gostam desta publicação: Paulo

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo