iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Liftech

mobilitec

onlift
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Ortopedia Real

TotalMobility

Rehapoint
myservice

Tecnomobile

Liftech

Multihortos

Drive Mobility

Anuncie Aqui

Autor Tópico: Cuidados a ter com a perna amputada  (Lida 3051 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Sininho

Cuidados a ter com a perna amputada
« em: 19/03/2010, 15:48 »
 

Actualmente, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (2009), cerca de 650 milhões de pessoas no mundo (10% da população mundial) vive com uma “incapacidade”, entre as quais se incluem a amputação de um membro.

As causas de amputação de um membro podem ser várias, nomeadamente por doenças vasculares, infecções agudas ou crónicas, tumores ou traumatismos. Estima-se que em Portugal possam ocorrer anualmente cerca de 1200 amputações não traumáticas dos membros inferiores. De acordo com a Direcção Geral de Saúde (2001), muitas pessoas amputadas, por doença vascular, são idosas; outras, são grandes fumadoras e/ou diabéticas. De facto, a amputação de um membro afecta cerca de 15% dos diabéticos e é causa de amputação de um membro a cada 30 segundos em todo o mundo (INESC, 2008).

Contudo, após a amputação da perna, há cuidados essenciais que deve adoptar, de forma a prevenir possíveis complicações, pelo que estes serão falados ao longo do artigo.
Antes de mais, é bastante importante a higiene e o tratamento adequado da pele na região da amputação. Uma vez que a incisão tenha cicatrizado, as suturas tenham sido removidas, e já não tenha penso, pode então tomar banho normalmente. O membro residual é tratado como qualquer outra parte do corpo: deve ser mantido limpo e seco.


Deve ser tomada a precaução de serem evitados cortes, abrasões e outros problemas de pele. Para tal, é importante examinar o membro residual diariamente, com espelho, por exemplo, no caso de estar sozinho, ou pedir ajuda a um familiar, para se certificar que não existem contusões ou problemas iminentes, especialmente em áreas não visíveis. Se sofreu uma redução na sensibilidade, torna-se particularmente importante uma cuidadosa inspecção.
Existem também cuidados que deve adoptar relativo ao posicionamento do coto. Um dos principais objectivos no pós-operatório é a prevenção de complicações secundárias, como as contracturas de articulações adjacentes. As contracturas podem surgir em decorrência do desequilíbrio muscular, ou como resultado de alguma posição inadequada, como a posição sentada por períodos longos.

Desta forma, quando estiver deitado, evite o posicionamento inadequado no leito de flexão (perna dobrada), abdução (abrir a perna), rotação externa de coxa e flexão de joelho (joelho dobrado) quando amputado de perna (transtibial). Deve, assim manter o membro inferior alinhado com o corpo, não colocando almofadas por baixo deste ou entre as pernas, pois assim estará a evitar as contracturas musculares. Para além disso, tente ainda não apoiar o coto sobre as canadianas, de forma a não macerar a pele.

A perda súbita de um ou vários membros pode lançar a pessoa no desespero. Habitualmente, não há tempo para fazer o reajuste à nova situação. A sensação pode ser a de alguém que caiu no fundo de um poço, e não vê saída.
Perante uma situação destas, é necessário um tempo prolongado de readaptação à sua nova condição. Contudo, pode-se reaprender a viver o melhor possível. Para isso, é necessária força de vontade e espírito de cooperação. Só com a cooperação da pessoa amputada é que se podem optimizar todos os esforços.
Deve ter a noção de que há situações que vão mudar. Contudo, nem todas as actividades que fazia anteriormente têm de ser abandonadas: algumas irão depender da forma como reage à amputação, pois é muito importante que se movimente o mais precocemente possível.

Desta forma, sempre que possível, deve continuar a efectuar o trabalho habitual (mesmo que com ajuda) e ser útil para a família, assim como procurar novos passatempos.

Acima de tudo, não deve ter vergonha da sua situação, e deve aprender com a mesma o mais naturalmente possível. Muitas vezes, a atitude das outras pessoas de discriminação ou de incompreensão para com a pessoa amputada, é influenciada pela visão que a pessoa tem de si mesma. A atitude da própria pessoa amputada é crucial para se obter a aceitação e compreensão dos outros. Seja, por isso, positivo, ainda que tal possa parecer muito difícil…

in primuscare.pt
Queira o bem, plante o bem e o resto vem...
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo