iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Liftech

mobilitec

onlift
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Anuncie Aqui

TotalMobility

Rehapoint
myservice

Tecnomobile

Liftech

Multihortos

Anuncie Aqui

Elos de Ternura

Autor Tópico: AUTISMO/PREVENÇÃO(?) - O Ácido Fólico diminui o risco de Autismo?  (Lida 759 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online migel

 
AUTISMO/PREVENÇÃO(?) - O Ácido Fólico diminui o risco de Autismo?



Ácido fólico e autismo

Desdobramento inesperado de uma velha política de saúde pública para gestantes: a ingestão de ácido fólico diminui o risco de autismo. Cássio Leite Vieira comenta estudo sobre o tema na CH 302.
Ácido fólico e autismo
O ácido fólico ou vitamina B9, encontrado em verduras como brócolis, é importante para a formação de proteínas estruturais e hemoglobina. (imagens originais: Wikimedia Commons) Imagem com representação de uma estrutura molecular ligando duas imagens de brócolis.
O ácido fólico é dado a mulheres que pretendem engravidar e para aquelas que estão no início da gravidez. O objetivo é evitar problemas de má-formação no feto – os chamados defeitos do tubo neural, como espinha bífida (dividida). Daí, essa substância, que é uma vitamina do complexo B, ser prescrita – inclusive no Brasil – para grávidas ou para as que querem engravidar.
Mas será que o ácido fólico teria alguma ação contra o autismo e quadros relacionados, como a síndrome de Asperger, classificada como um autismo ‘leve’?
A equipe de Pal Surén, do Instituto de Saúde Pública da Noruega, analisou dados de aproximadamente 85 mil crianças daquele país que nasceram entre 2002 e 2008. Quando a análise terminou (março do ano passado), essas crianças tinham entre dois e 10 anos de idade. Os pesquisadores centraram a atenção em mulheres que haviam tomado o suplemento entre um mês antes e dois meses depois do início da gravidez.
Das 85 mil crianças, 270 delas (0,32%) foram diagnosticadas com algum quadro ligado ao espectro do autismo: 114 com autismo; 56 com Asperger e 100 com desordens pervasivas do desenvolvimento não específicas.
Feitos os ajustes relativos a nível educacional, ano de nascimento, número de filhos nascidos vivos, a conclusão foi a seguinte: mães que tomaram ácido fólico apresentaram 40% a menos de risco de ter um filho com autismo.
Importante: 1) não foi achada relação do suplemento nem com a síndrome de Asperger, nem com outros quadros do espectro do autismo; 2) a ingestão de ácido fólico no meio da gravidez – ou seja, depois do 3º mês – não pareceu diminuir os riscos de autismo.

Os resultados, como se nota pelo comentário que acompanha o artigo publicado no The Journal of the American Medical Association, devem ainda ser confirmados. “O potencial [do ácido fólico] como suplemento nutricional é animador e deveria ser confirmado em outras populações.”
Cássio Leite Vieira fonte- http://cienciahoje.uol.com.br/revista-ch/2013/302/acido-folico-e-autismo/view



 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
     
Voltar ao topo