iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Liftech

mobilitec

onlift
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Ortopedia Real

TotalMobility

Rehapoint
myservice

Tecnomobile

Liftech

Multihortos

Drive Mobility

Anuncie Aqui

Autor Tópico: Conheça os sintomas de distrofia muscular em crianças  (Lida 121 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online migel

 
Conheça os sintomas de distrofia muscular em crianças
Por Portal do Holanda

08/09/2021 16h50 — em Manaus


O mês de setembro é marcado pelo dia mundial da conscientização de Duchenne (7/9). A distrofia muscular de Duchenne (DMD) é uma doença genética rara, degenerativa e que tem como principal sintoma a fraqueza muscular progressiva. Causada pela deficiência ou ausência da proteína distrofina, responsável por garantir a estabilidade das fibras musculares, a condição afeta mais os meninos. Na maioria das vezes, as manifestações iniciais são alterações na forma de andar e quedas frequentes e ficam mais evidentes entre os 3 e 5 anos. O diagnóstico precoce é essencial para retardar o avanço da doença e garantir mais qualidade de vida ao paciente.


Alguns sinais podem passar despercebidos, sobretudo os relacionados aos marcos do desenvolvimento infantil, como caminhar e falar. Ainda que cada indivíduo tenha seu tempo de desenvolvimento, existem marcos que, especialmente na infância, são semelhantes para todos e qualquer sinal de atraso deve ser considerado relevante para uma consulta médica. A mesma lógica se aplica às quedas frequentes, por exemplo, que muitas vezes são tratadas como características comuns da criança e não como um indício de fraqueza muscular.

"Meus primeiros sintomas da distrofia apareceram quando eu ainda era pequeno e o principal deles era a dificuldade de levantar rápido. Costumava fazer aquele famoso movimento de colocar a mão no joelho para levantar. Comecei a cair muito, quando tentava correr com os colegas ou em casa, quase sempre com o rosto no chão. Depois, eu também passei a andar na ponta dos pés", conta o paciente Iuri Cesar Caliman de 24 anos.

O diagnóstico precoce da DMD é essencial para retardar o avanço da doença e trazer qualidade de vida ao paciente. Com o tratamento multidisciplinar e acompanhamento adequados é possível não somente aumentar a expectativa de vida, como também proporcionar mais independência e condições para que possa se desenvolver em outras áreas da vida.

"Aos 6 anos fui diagnosticado e tratado para a doença errada e isso me causou alguns danos musculares, principalmente no joelho. Porém, ao me consultar com outro especialista, tive a confirmação da DMD e pude iniciar o tratamento correto", explica Caliman, que trabalha como programador e vive em Aparecida de Goiânia, no estado de Goiás.

Atualmente, um dos desafios é conscientizar e informar a população e classe médica sobre a doença, seus sintomas e intervenções possíveis. "No Brasil, existe uma carência de profissionais que tratam de doenças neuromusculares, seja nas instituições de saúde públicas ou nas privadas. Isto se mostra quando nos países desenvolvidos a idade média de diagnóstico da doença é de 4 anos, enquanto, entre os brasileiros, esse número aumenta para 7,5 anos", explica a médica Ana Lúcia Langer.

Uma medida simples que pode auxiliar na suspeita de crianças com fraqueza de cintura pélvica é observar o tempo de se levantar que, quando maior que 2 segundos em crianças com mais de 2 anos, pode indicar alguma dificuldade no movimento. Outra forma de levantar suspeitas a respeito da DMD é por meio de um exame que identifica a dosagem da enzima muscular creatinoquinase (CK) no sangue. Caso esta esteja cerca de 10 vezes maior que o valor de referência, é solicitado um exame genético para confirmação.

O tratamento multidisciplinar é fundamental para preservar a força muscular por mais tempo. "Hoje, aos 24 anos, faço fisioterapia motora uma vez na semana nas pernas e braços. Também utilizo ambu (equipamento médico) para fazer fisioterapia respiratória em casa. Sempre quando sinto algo diferente, vou ao médico para ele avaliar se está tudo bem. Tenho cardiologista e pneumologista. Assim sigo, sabendo que é uma doença progressiva que precisa desse acompanhamento", explica o paciente.




Fonte:
« Última modificação: 10/09/2021, 10:23 por migel »
 
Os seguintes membros Gostam desta publicação: casconha

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo