iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Anuncie Aqui

mobilitec
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Anuncie Aqui

Anuncie Aqui
myservice

Tecnomobile

TotalMobility

Multihortos

Drive Mobility

Autor Tópico: Alunos com necessidades especiais devem ter um responsável pelo seu acompanhamento  (Lida 408 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online Pantufas

Alunos com necessidades especiais devem ter um responsável pelo seu acompanhamento

É uma das recomendações divulgadas esta quarta-feira pelo Ministério da Educação, para que o acompanhamento dos alunos com necessidades especiais de aprendizagem continue a existir, mesmo à distância.



O Ministério da Educação pede que o acompanhamento dos alunos seja garantido, mesmo que à distância © Pedro Correia/Global Imagens

Catarina Reis
15 Abril 2020 — 20:35

As novas normas sobre a Educação Inclusiva entraram nas escolas do país há mais de um ano. Entre elas, ficou estipulado que todas as escolas passam a dispor de uma Equipa Multidisciplinar de Apoio à Educação Inclusiva (EMAEI), que pode integrar pais e educadores e cujo papel é identificar as medidas de apoio mais adequadas a cada aluno com necessidades especiais de aprendizagem. Em tempos de isolamento, este trabalho não deve ficar para trás, mas é dificultado pela distância. Por isso, o Ministério da Educação enviou esta quarta-feira (15 de abril) um conjunto de orientações para estas equipas às escolas.

Entre as recomendações apresentadas, a tutela pede que seja definido, no caso de ainda não existir, "um elemento da ESMAEI para funcionar como pessoa de referência por cada aluno". Este elemento deverá manter "contactos (por telefone ou internet) regulares e frequentes", "de modo a dar continuidade à sua participação no currículo e na aprendizagem, facilitando e estimulando a participação de cada um a distância e, assim, mantendo a interação social e os laços já criados", pode ler-se no documento.

A atuação destas equipas multidisciplinares deve ser precedida de um plano de trabalho no âmbito do ensino à distância e recorrendo às plataformas que a escola tiver determinado para o efeito. Deverá, contudo, ter em conta "os recursos específicos de apoio à aprendizagem e à inclusão, humanos, organizacionais ou existentes na comunidade, que será necessário mobilizar, organizar e articular". Todos os envolvidos estão responsáveis por manter uma relação estreita com os diretores de turma e professores de ensino especial.

O ensino para estas crianças deve "acautelar formas de acessibilidade à informação", principalmente para aqueles que "não (o) podem fazer a partir de fontes orais ou visuais". Para tal, devem procurar articulação com os serviços que existem na comunidade, como Centros de Apoio à Aprendizagem (CAA), dos Centros de Recursos TIC (CRTIC), intérpretes de Língua Gestual Portuguesa (LGP) e Centros de Recursos para a Inclusão (CRI). Segundo a tutela, "os CRTIC poderão apoiar a utilização no domicílio dos produtos de apoio de cada um dos alunos", como, por exemplo, máquinas braille.

O governo propõe que seja prestado apoio psicológico sempre que necessário. "Sempre que exista vontade por parte dos mesmos", lê-se, os encarregados de educação devem ser incentivados e apoiados para a criação de grupos de apoio de pais.

É responsabilidade das escolas garantir "o direito de todos os alunos à educação, ao acesso ao conhecimento e à participação no processo de ensino e aprendizagem". Uma missão na qual as equipas multidisciplinares desempenham um papel vital. "A EMAEI pela sua génese, e à luz das suas atribuições, assume também agora um papel fundamental na construção de uma escola que tem de funcionar a distância, mas que se quer próxima, humana e com o sentido de urgência e sensibilidade que o processo de adaptação aos tempos que todos vivemos requer", lembra o gabinete do ministro Tiagro Brandão Rodrigues.


Fonte: DN
 

Online Pantufas

Alunos com necessidades especiais vão ter acompanhamento à distância
15 abr, 2020 - 21:35 • Hugo Monteiro

Associação Portuguesa de Deficientes lamentava a falta de resposta do executivo às perguntas sobre como vão ser retomadas as aulas para os alunos com necessidades especiais.


Foto: Luca Zennaro/EPA

As escolas já receberam um conjunto de orientações para as atividades para os alunos que têm necessidade de medidas de apoio adicionais. O objetivo é que, sempre que possível, estas atividades possam decorrer à distância.
As explicações são prestadas pelo Ministério da Educação, que sublinha que estas indicações já estão publicadas há já alguns dias.


Esta quarta-feira, em declarações à Renascença, a presidente da Associação Portuguesa de Deficientes lamentava a falta de resposta do executivo às suas perguntas sobre a nformação relativamente à forma como vão ser retomadas as aulas para os alunos com necessidades especiais.

Numa nota enviada à Renascença, o gabinete de Tiago Brandão Rodrigues acrescenta que, no site de apoio às escolas podem, ainda, ser encontrados diversos documentos, com recomendações às famílias e sugestões de autocuidado para professores e educadores.

O terceiro período escolar arrancou a 14 de abril, mas sem atividades letivas presenciais, para evitar a propagação da pandemia de coronavírus.

O boletim diário da Direção-Geral de Saúde, desta quarta-feira, revela que Portugal tem agora 599 mortos (mais 32 do que na terça-feira) e 18.091 infetados (mais 643), devido à pandemia de Covid-19 e desde que o surto chegou ao país.

A DGS revela também que 383 doentes já recuperaram da doença. São mais 36 do que na terça-feira.


Fonte: RR


 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo