iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Anuncie Aqui

mobilitec
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Pros Avos

Ortopediareal
myservice

Tecnomobile

TotalMobility

Multihortos

Drive Mobility

Autor Tópico: O futebol é para todos  (Lida 646 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Eduardo Jorge

O futebol é para todos
« em: 25/08/2010, 11:21 »
Todo jogador de futebol possui uma história de vida diferente, e em alguns casos com detalhes extraordinários. Em nenhuma competição isso é tão aparente quanto nos eventos organizados pela Associação Internacional de Esporte e Recreação para Paralisados Cerebrais (CPISRA, na sigla em inglês). Um bom exemplo é o campeonato europeu sediado na cidade escocesa de Glasgow. Uma coisa que fica clara é que a deficiência não é a única coisa em comum entre os participantes — todos eles podem testemunhar como o futebol mudou as suas vidas.

O FIFA.com conversou com Jonathan Paterson, que há quatro anos estava conferindo estatísticas no site da Federação Escocesa de Futebol quando viu um anúncio para testes em uma seleção diferente. O jovem de 18 anos se estabeleceu tão rapidamente na equipe que dois anos depois foi o capitão do selecionado que representou a Grã-Bretanha na Paraolimpíada de Pequim.

"Quando vi o anúncio pela primeira vez, pensei que viria jogar só algumas partidas, mas acabei indo para Dublin e depois ao Brasil e a Pequim", relembra o capitão escocês. "Viajar pelo mundo e jogar futebol em todos estes países diferentes vem sendo uma experiência incrível. Foi o futebol que me deu tudo isto. Para qualquer pessoa com uma deficiência, é importante saber que há oportunidades como esta."

Para a CPISRA, o objetivo é reforçar mensagens como essa. O torneio na Escócia também representa um retorno às origens, pois a entidade organizou a sua primeira competição internacional em Edimburgo há 32 anos. Tom Langen, que trabalha com futebol para deficientes há mais de duas décadas e é atualmente o presidente do comitê de futebol da CPISRA, explicou ao FIFA.com como viu o esporte bretão mudar vidas para sempre.

"Fui técnico da seleção holandesa por 22 anos, e você nem imagina o impacto que o futebol pode causar", destaca. "Estes rapazes crescem considerando-se inferiores a 'pessoas normais'. Representar o próprio país no gramado é motivo de muita confiança e orgulho de si mesmo. Mostra que eles podem ter êxito e fazer algo especial, e isso é muito importante para a vida deles em geral."

Um grande defensor dessa filosofia é Stuart Sharp, que treina a Escócia no torneio europeu. Para ele, a presença de jovens deficientes torcendo pela equipe significa que o evento já é um sucesso absoluto. "Cerca de 40 garotos deficientes participaram de um festival de futebol recentemente", relembra. "Para eles, jogadores como Jonathan são exemplos fantásticos, e espero que eles tenham ido embora sabendo que, independentemente da deficiência, o futebol é algo que podem praticar e aproveitar. Basta olhar para os meus jogadores. Muitos deles eram os únicos deficientes na escola onde estudavam, e participar de uma equipe e torneios como este mostrou que eles não estão sozinhos e podem realmente conseguir algo."

Informação e qualidade
Demonstrar aos jovens com deficiência as oportunidades disponíveis já é uma grande conquista, mas o torneio europeu da CPISRA também conseguiu informar o público em geral sobre a ascensão do futebol entre deficientes. "É ótimo mudar as percepções das pessoas", admite Paterson. "Todo mundo que esteve aqui ficou impressionado com a qualidade, e esse é outro grande fator positivo."

Bons exemplos dessa qualidade são as seleções de Rússia e Ucrânia, que chegam às fases decisivas do torneio europeu de futebol-sete como grandes favoritas a disputarem a final. Ambas vêm com aproveitamento de 100% após uma fase de grupos que também teve a participação de Espanha, Holanda, Dinamarca, Finlândia, Irlanda, Inglaterra e Austrália, esta última como convidada.

Somente holandeses e irlandeses, que terminaram em segundo nos respectivos grupos, podem evitar que as duas nações que um dia fizeram parte da União Soviética joguem a decisão no sábado. Para os quatro países, o próximo desafio será o mundial disputado na Holanda em 2011, valendo lugar na Paraolimpíada de Londres no ano seguinte.

"É a coisa mais importante para todo mundo aqui", sorri Langen. "Já estamos esperando os Jogos Paraolímpicos, que são para nós o que a Copa do Mundo é para o futebol mais conhecido. Ficaremos encantados se conseguirmos o mesmo apoio e a hospitalidade fantástica que tivemos aqui em Glasgow."

Fonte: FIFA.com
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo