iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Liftech

mobilitec

onlift
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Ortopedia Real

TotalMobility

Rehapoint
myservice

Tecnomobile

Liftech

Multihortos

Drive Mobility

Elos de Ternura

Autor Tópico: Minha impressão sobre o desfile de moda inclusiva  (Lida 3635 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Claram

 

Minha impressão sobre o desfile de moda inclusiva



 Na quinta-feira (25/11), pela primeira vez, assisti um desfile de moda inclusiva. O desfile aconteceu na cidade de Campinas, São Paulo. Várias pessoas de diferentes segmentos sociais, como: estilistas, empresários, políticos, entidades beneficentes e outros, participaram deste evento. Um dos objetivos era promover um debate e despertar a atenção do universo fashion para uma moda mais abrangente e adaptada às pessoas com deficiência.
Assim que entrei juntamente com outras pessoas no local do desfile, fomos recepcionados por modelos sem deficiência. Modelos esguias, “corpo saudável”, "sarado", o tipo de padrão de beleza idealizado pela sociedade. Acredito que seria muito interessante se ocorresse o inverso, modelos com deficiência acolhendo a chegada dos convidados. E por falar em convidados, havia pouquíssimos com deficiência.

Durante a apresentação do desfile, os apresentadores Ana Amélia Costa Leite, apresentadora do jornal TV Justiça de Brasília, e Marcelo Matheus, citaram várias vezes o termo incorreto “portadores de necessidades especiais”, onde o correto seria “pessoas com deficiência”.
Até entendo que eles não soubessem a terminologia correta, mas alguém poderia orientá-los nesse sentido. Afinal, hoje em dia, o que não falta são sites e blogs orientando as pessoas sobre o uso correto desta e outras expressões. A meu ver, a verdadeira sociedade inclusiva começa na maneira correta de abordar o assunto sobre deficiência, a fim de que práticas discriminatórias sejam desencorajadas.
Enquanto os apresentadores conversavam com o público, notei a presença de uma intérprete de línguas para convidados com deficiência auditiva. Isso me deixou um pouco mais animada. Contudo, não havia audiodescrição para convidados com deficiência visual.


Considero louvável a iniciativa do empresário Renato Rosa pela realização de um projeto de marketing de causa, assim como achei formidável o trabalho realizado pelos estilistas que desenharam roupas exclusivas para este segmento. No entanto, se o objetivo era colocar a pessoa com deficiência na rota da moda, a fim de incluí-la socialmente e elevar sua autoestima, na minha opinião, infelizmente, não foi bem isso que aconteceu. Pois a cada modelo com deficiência que desfilava, também desfilava um modelo sem deficiência. Penso que isso ofuscou o brilho de quem na verdade, deveria ser destaque na passarela, ou seja, a pessoa com deficiência. Na verdade os flashes foram divididos entre empresários, modelos sem deficiência, socialites...
[float=right][/float]

Esse foi o primeiro desfile em Campinas e o primeiro passo foi dado. Espero que num próximo desfile de moda inclusiva, seja dada ao modelo com deficiência maior visibilidade, para que dessa forma ele possa despertar efetivamente a atenção do universo fashion. E um dia, quem sabe, os modelos com deficiência possam participar de desfiles sem caráter assistencialista, a convite de agências de modelos, afinal temos por volta de trinta milhões de consumidores com deficiência.



Vera (Deficiente Ciente)




« Última modificação: 30/03/2011, 00:11 por migel »
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
     
Voltar ao topo