iacess

ergometrica

Anuncie Aqui

Liftech

mobilitec
onlift

Autopedico

Invacare

TotalMobility

Rehapoint
myservice

Tecnomobile

Liftech

Multihortos

Anuncie Aqui

Autor Tópico: MP diz que deficiente intelectual pode consentir sexo e arquiva processo de violação em hospital psi  (Lida 361 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online migel

 
MP diz que deficiente intelectual pode consentir sexo e arquiva processo de violação em hospital psiquiátrico do Porto

Família da vítima pede a reabertura do processo e já apresentou vários recursos.
Correio da Manhã
8 de Abril de 2024 às 10:33


FOTO: Ricardo Cabral
O Ministério Público (MP) arquivou a denúncia de uma mulher com deficiência intelectual que terá sido violada por um paciente numa casa de banho do hospital psiquiátrico Magalhães Lemos, no Porto. O caso remonta a 2019 e em 2023 entrou em fase de despacho. De acordo com o Diário de Notícias, os procuradores consideram que, apesar da incapacidade de autodeterminação sexual da vítima, o sexo poderá ter sido consentido.

No dia de Natal, em 2019, 'Maria' [nome fictício] foi encontrada deitada no chão da unidade hospitalar. Quando foi questionada sobre o que se encontrava ali a fazer, a vítima começou a chorar. Mais tarde, admitiu ter sido violada."Não sei o nome dele, mas magoou-me o pipi e o rabo", afirmou à data dos factos. Por ser numa casa de banho, o hospital não dispunha de imagens de videovigilância.


"Não se extrai dos autos qualquer elemento de facto apto para suportar de que o arguido sabia que ela era incapaz de prestar esse consentimento e, como tal, que o mesmo era válido ou que o arguido tivesse tirado partido dessa incapacidade da ofendida em se opor à sua proposta de teor sexual", lê-se no despacho do processo do MP, a que o DN teve acesso. 

Segundo o MP, um dos motivos que levou ao arquivamento do caso é o facto da vítima não conseguir, devido às suas debilidades intelectuais, fornecer um testemunho concreto do que terá acontecido, ao contrário do arguido "que apresentou uma versão sustentada dos factos".


Homem com SIDA condenado a 11 anos de prisão por abusar de menina centenas de vezes sem usar preservativo
Homem com SIDA condenado a 11 anos de prisão por abusar de menina centenas de vezes sem usar preservativo
O agressor, que estava internado à altura dos factos, não sofre de nenhuma deficiência intelectual. Contou que os atos sexuais foram praticados de acordo com a vontade da vítima e que assim que a mesma pediu para parar por estar com dores, assim o fez.

"Não ameacei, não bati, não obriguei nem agarrei com força ninguém. A rapariguinha apaixonou-se por mim e não descansou. Eu não queria porque ela não tem as faculdades todas, tem um atraso, até que não aguentei", disse o arguido.

A família da vítima pede a reabertura do processo e já apresentou vários recursos. O último foi recusado a 4 de março sob a justificação de que a ofendida, apesar das dificuldades cognitivas e emocionais, tem capacidade de autodeterminação sexual.




Fonte: CM
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Anuncie Connosco Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
     
Voltar ao topo