iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Anuncie Aqui

mobilitec
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Anuncie Aqui

TotalMobility
myservice

Tecnomobile

Anuncie Aqui

Multihortos

Drive Mobility

Autor Tópico: Podemos fazer algo para minimizar ou mesmo evitar a demência?  (Lida 537 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online Sininho

Podemos fazer algo para minimizar ou mesmo evitar a demência?
É um sonho do ser humano manter a vida longa com saúde física e mental

Em todo o mundo, à medida que aumenta a consciência acerca do envelhecimento populacional, aumenta também a preocupação em atingir uma velhice bem sucedida. São vários os factores que estão envolvidos para contribuir na busca por uma qualidade de vida com longevidade, mantendo a mente lúcida, o corpo saudável e uma vida activa.

Além dos anos de educação, estudar e compor música, escrever poesias, estudar uma língua estrangeira, praticar desportos, pintura, teatro, dança, bordados, artesanato, entre outras atividades que envolvem a mente fazem a diferença ao longo da vida e ajudam a prevenir o desenvolvimento de deficits de atenção, memória e de demências.

É um sonho do ser humano manter a vida longa com saúde física e mental. Acreditar que o envelhecimento é o resultado de um histórico da vida que cada um de nós foi construindo, é o grande desafio! Ver o envelhecimento numa perspetiva de desenvolvimento ao longo da vida e não como um fatalismo.

O cérebro é a fonte de todo o comportamento humano, controlando ao mesmo tempo um conjunto de funções incrivelmente complexas.

O cérebro recebe informação e transmite-a aos locais apropriados para o seu processamento.

O cérebro está dividido em duas metades sendo estas chamadas de hemisférios cerebrais. Cada hemisfério é especializado para um tipo particular de informação. Como exemplo, as funções matemáticas e o desenvolvimento do sentido de direção, são representados pelo hemisfério direito; a linguagem, a leitura e a escrita, pelo hemisfério esquerdo.


Aumenta a preocupação em atingir uma velhice bem sucedida

Quando ocorre anomalias nesses hemisférios cerebrais, que podem ser crónicas ou progressivas com perturbação de múltiplas funções, incluindo a memória, o pensamento, a capacidade de aprendizagem, a orientação, a compreensão, o cálculo, a linguagem e o julgamento, temos o que se designa como uma síndrome decorrente de uma doença cerebral e é qualificada de uma forma geral por demência.

A grande maioria dos casos de demência ocorre entre pessoas idosas, mas é possível que ocorra também entre adultos e até entre jovens.

O processo de morte das células do cérebro tem início entre dez e quinze anos antes de que os problemas de memória se tornem aparentes. A perda da memória dificulta a aproximação das pessoas nas suas relações afetivas, familiares e sociais . A memória biográfica dá o reconhecimento da identidade e sem lembrar-se de factos, de pessoas e de lugares, diz-se que há menos da pessoa a cada dia que passa. A mesma fica impossibilitada de se relacionar, de cuidar de si, de planear a sua qualidade de vida. Perde a sua razão, a autonomia e a coerência. Dá a impressão que o “Eu” se desvincula das funções cognitivas, garantindo apenas a sua sobrevivência.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) propõe três estágios de demência e sintomas associados:

Estágio Precoce - Normalmente passa despercebido, sendo que os familiares consideram os sintomas como parte integrante e normal do envelhecimento. Devido ao seu aparecimento ser gradual é difícil precisar o seu início.

Estágio Médio - As limitações tornam-se mais claras. A pessoa com demência demonstra dificuldades nas atividades diárias.


O cérebro é a fonte de todo o comportamento humano

Estágio Avançado - Este estágio é representado por uma total dependência e inatividade. Os distúrbios da memória tornam-se muito sérios e os aspetos físicos da demência tornam-se evidentes.

INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO COGNITIVA FUNCIONAL

O papel do psicólogo clínico é importante no uso de instrumentos de rastreio que identificam casos leves de demência. A combinação de uma escala funcional, que avalia as atividades da vida diária e um teste cognitivo, por exemplo, o Mini-Exame do Estado Metal (MEEM), é como realizar o” chek-up” da memória.

Para quem não tem problemas de memória e para quem os tem, os testes psicológicos servem para fornecer dados mais objetivos de como se encontra o estado de memória de cada um e de acordo com os resultados obtidos receber a orientação mais adequada. Entre os testes cognitivos mais comumente utilizados na prática clínica podemos citar o MEEM, o Teste do Relógio, a BLAD (Adaptação da Bateria de Lisboa para Avaliação das Demências) e a Escala de Depressão Geriátrica.

O MEEM é o teste de rastreio e triagem mais utilizado no mundo, pois é simples, de aplicação rápida e auto-explicativa. Determina a extensão da avaliação cognitiva e é composto por diversas questões, caracteristicamente, agrupadas em sete categorias, cada uma com a finalidade de avaliar funções cognitivas específicas como orientação, atenção e cálculo, retenção ou registo de dados, memória e linguagem. A pontuação do MEEM pode variar de um mínimo de zero a 30 pontos.

ANTES PREVENIR DO QUE TRATAR

Aprender ajuda a prevenir demências


[b]A memória biográfica dá o reconhecimento da identidade[/b]

Além dos anos de educação, estudar e compor música, escrever poesias, estudar uma língua estrangeira, praticar desportos, pintura, teatro, dança, bordados, artesanato, entre outras atividades que envolvem a mente fazem a diferença ao longo da vida e ajudam a prevenir o desenvolvimento de deficits de atenção, memória e de demências. Aprenda algo novo (um desporto, uma língua) e modifique os seus hábitos, como seja use o relógio de pulso no braço direito (ou no braço esquerdo, se for canhoto); escova os dentes ou escreva numa folha de papel com a mão contrária da de costume, concentre-se nos pormenores que nunca reparou antes.
Técnicas que ajudam a evitar progressão rápida de demências

- Treino cognitivo: exercícios de memória que podem melhorar de forma global o funcionamento da memória.

- Terapia de orientação de realidade: tem como princípio apresentar dados de realidade ao paciente de forma organizada e contínua, criando estímulos ambientais que facilitem a sua orientação.

- Terapia de remotivação: tem como objetivo fazer com que os pacientes que estão em isolamento recuperem o interesse pelo ambiente, através de debates sobre temas cotidianos e atualidades, incentivando a formação de opiniões e a comunicação interpessoal.

- Estratégias compensatórias: utilização de "ajudas externas" para amenizar os deficits de memória.


O teste do relógio é dos testes cognitivos mais comumente utilizados na prática clínica


Para ajudar a manter esse saudável desenvolvimento, temos o conceito de Neuroplasticidade, ou plasticidade cerebral, que é a capacidade de recriar novas conexões das nossas células nervosas, processo que nos ajuda continuamente a aprender. Aprenda algo novo aos 40 anos, aos 50, aos 60,… Exercitar o seu cérebro é tão importante quanto exercitar o seu corpo. Quem continuar a desenvolver a sua reserva funcional através de prática de exercícios mentais e um estilo de vida saudável, é quem tem mais chances de manter a plasticidade cerebral e sua habilidade de aprender, à medida que envelhece.

Mantenha-se saudável física e psicologicamente à medida que vai “crescendo” na sua idade. Torna-se fundamental fazer uma avaliação cognitiva, onde está incluído o processo de memória, antes de surgirem problemas cognitivos e de memória, bem como, depois de dar início a um estado de demência. Em ambos os casos, o beneficio de prática de exercícios para o cérebro é enorme representando sem dúvida uma mais-valia para a pessoa e para todos os que a rodeiam.

in Cienciahoje.pt
Queira o bem, plante o bem e o resto vem...
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo