Deficiente-Fórum

..:: Deficiente-Forum - Modalidades Desportivas ::.. Responsável: Fisgas => Ténis de campo e mesa => Tópico iniciado por: Oribii em 10/12/2017, 15:56

Título: Gustavo Fernandez: «A minha deficiência nunca me privou de nada»
Enviado por: Oribii em 10/12/2017, 15:56
Gustavo Fernandez: «A minha deficiência nunca me privou de nada»
10
DEZ

(https://i0.wp.com/bolamarela.pt/wp-content/uploads/2017/12/gustavo.jpg?fit=590%2C343)
Gustavo Fernandez tem apenas 23 anos, ficou impossibilitado de andar ainda em criança, devido a uma doença grave, mas já deixou marca no ténis de cadeira de rodas. O atual número um mundial, eleito pela Federação Internacional de Ténis como campeão do Mundo da modalidade em 2017, deu uma longa a interessante entrevista à revista ‘Página 12’, onde pede que não tenham pena dele, até porque, garante, não há mesmo razões para isso.

“O ténis é a minha profissão hoje em dia, mas antes disso começou por ser acima de tudo a minha paixão. Sempre adorei desporto. O ténis fez-me amadurecer imenso também fora do court. Mas nunca em relação à minha deficiência. Essa eu sempre assumi perante o Mundo e nunca me privou de nada”, assegura o argentino.

Fernandéz conta como treina no dia a dia. “Tal e qual como um top 50 ATP. Tenho cuidado com a nutrição, tenho trabalho mental, passo muitas horas em court. Tudo normal. As rotinas dependem depois sempre de se estou ou não a competir…”

Gustavo tem uma maneira muito especial de lidar com a sua doença. “Temos de mudar a sociedade e a forma como olham para as pessoas com a deficiência. A mim já me olhar com outros olhos porque consegui chegar a número um do Mundo, mas há muito caminho a fazer nesse aspeto. Uma deficiência não tem de ser necessariamente mau. Eu decidi ser desportista profissional, mas se quisesse podia ter sido médico, professor ou outra coisa qualquer. Ter este problema não me impede de escolher o que quero fazer da minha vida.”

http://www.youtube.com/watch?v=aRaQzHjqDbA


Fonte: http://bolamarela.pt/atp-world-tour/gustavo-fernandez-minha-deficiencia-nunca-me-privou-nada/