iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Anuncie Aqui

mobilitec
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Pros Avos

Ortopediareal
myservice

Tecnomobile

TotalMobility

Multihortos

Drive Mobility

Autor Tópico: Epilepsia  (Lida 1538 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Online migel

Epilepsia
« em: 14/09/2016, 15:43 »
Epilepsia: tudo o que você precisa saber sobre a doença
Está na hora de perceber o que é, de fato, a epilepsia

© DR
Lifestyle DOENÇA Há 20 Horas POR Notícias Ao Minuto

A epilepsia é uma doença mental caraterizada por síncopes convulsas. “Trata-se de uma doença física que causa alterações súbitas, breves e recorrentes na atividade elétrica normal do cérebro, de modo que, durante um episódio de epilepsia, denominado de crise epilética, as células do cérebro ‘disparam’ de modo incontrolável a um ritmo que pode chegar a ser quatro vezes maior do que o normal, levando, assim, a alterações do movimento, dos pensamentos, sensações e comportamento da pessoa”.


É desta forma que o Instituto Camões define a epilepsia, uma doença temida e incompreendida por muitos. As causas, continua o site, podem ser várias, mas a ciência aponta para as lesões cerebrais (antes ou depois do nascimento), os tumores cerebrais, alguns tipos de infecções, doenças genéticas e possíveis anomalias estruturais dos vasos sanguíneos cerebrais.

Quanto à doença em si, esta pode ser caracterizada por dois tipos de convulsão, a crise generalizada primária – e que envolve simultaneamente todo o cérebro – e a crise parcial (focal) - envolve apenas uma área do cérebro (foco).

De acordo com o site Bustle, estima-se que existam no mundo cerca de 50 milhões de pessoas com algum tipo de epilepsia, sendo as convulsões a consequência mais imediata das crises. E em caso de convulsão, como explica a Liga Portuguesa contra a Epilepsia, existem ações que todas as pessoas devem realizar sempre que estão perante um episódio:

1. Permaneça calmo e vá controlando a duração da crise, olhando periodicamente para o relógio;

2. Coloque uma toalha ou um casaco dobrado debaixo da cabeça da pessoa;

3. Quando os abalos (convulsões) pararem, coloque a pessoa na posição lateral de segurança;

4. Permaneça com a pessoa até que recupere os sentidos e respire normalmente;

5. Se a crise durar mais do que 5 minutos, chame uma ambulância.

Durante o momento em que se socorre uma pessoa que está tendo uma convulsão, é importante não seguir alguns dos conselhos mais comumente espalhados pela sabedoria popular. Assim sendo, não se deve introduzir qualquer objeto na boca nem tentar puxar a língua, não se deve também forçar para que a pessoa fique quieta nem tão pouco dar-lhe algum tipo de bebida.

Embora o tratamento para a epilepsia continue em estudo, sabe-se que em breve remédios à base de cannabis poderão vir a ser usados como terapia para doença, como revelou um artigo publicado no Scientific American.


Noticias ao minuto
 
Os seguintes membros Gostam desta publicação: pantanal

Online migel

Epilepsia
« Responder #1 em: 06/10/2016, 16:30 »
Epilepsia: novo tratamento?



no dia 06 de Outubro de 2016

O aumento da concentração de gorduras específicas no cérebro pode suprimir as convulsões epilépticas, sugere um estudo publicado na revista "Nature Structural & Molecular Biology".

Em estudos anteriores, que envolveram moscas da fruta, Patrik Verstreken, do VIBKu Leuven, na Bélgica, já tinha demonstrado que a proteína denominada Skywalker desempenhava um papel importante na comunicação entre as células cerebrais. Uma proteína quase idêntica funciona no cérebro dos humanos e é conhecida por TBC1D24.

O investigador explicou que as mutações genéticas nesta proteína causam um desvio conhecido como síndrome DOOR. Para além da surdez, unhas deformadas, ossos frágeis e atraso mental, este distúrbio genético grave é caracterizado por neurodegeneração, distúrbios de movimento e epilepsia.

Conjuntamente com Wim Versées, da Unidade Livre de Bruxelas, na Bélgica, os investigadores conseguiram, neste estudo, averiguar a estrutura tridimensional da Skywalker, o que permitiu estudar a proteína com detalhe microscópio.

Wim Versées referiu que, desta forma, foi possível obter mais informação sobre a precisa função da proteína e consequentemente da função da proteína humana TBC1D24. Entre outros achados, o estudo apurou que a proteína está associada a gorduras específicas no cérebro. Adicionalmente, os investigadores constataram que esta ligação está afectada em mais de 70% dos pacientes com a mutação na TBC1D24.

Com base nestes resultados, os investigadores aumentaram a concentração de gorduras específicas nas moscas da fruta com a mutação Skywalker. Verificou-se, então, que as convulsões epilépticas foram completamente suprimidas.

Patrik Verstreken conclui que este trabalho demonstra que o aumento de gorduras específicas no cérebro, nas sinapses dos pacientes com  mutação na TBC1D24, é uma possível estratégia para a prevenção das convulsões epilépticas.

"Apesar de o trabalho se ter focado nos indivíduos com mutações na TBC1D24, acreditamos que os nossos achados podem ser relevantes para várias formas de epilepsia", concluiu.

 
PCD
 

Offline pantanal

Re: Epilepsia
« Responder #2 em: 09/01/2019, 16:54 »
Pulseira avisa sobre ataques noturnos de epilepsia

Redação do Diário da Saúde


 
Morte súbita inesperada na epilepsia

Uma pulseira de alta tecnologia, desenvolvida por cientistas da Holanda, detectou 85% de todas as crises epilépticas severas noturnas. Essa é uma pontuação muito melhor do que qualquer outra tecnologia atualmente disponível.

Os pesquisadores acreditam que a pulseira, batizada de Nightwatch (vigilante noturno, em tradução livre), poderá reduzir o número mundial de fatalidades inesperadas em pacientes com epilepsia.

A condição conhecida como "morte súbita inesperada na epilepsia" (SUDEP na sigla em inglês) é uma das principais causas de mortalidade em pacientes com essa condição. Pessoas com deficiência intelectual e epilepsia grave resistente à terapia podem chegar a ter um risco de 20% ao longo da vida de morrer nesses ataques. Embora existam várias técnicas para monitorar os pacientes à noite, nem todos os ataques são detectados.

Por isso, um consórcio de pesquisadores se uniu para desenvolver uma tecnologia alternativa, que tomou a forma de uma pulseira que reconhece duas características essenciais dos ataques graves de epilepsia: batimentos cardíacos anormalmente acelerados e movimentos bruscos de sacudir. Nesses casos, a pulseira envia um alerta sem fio para cuidadores ou enfermeiras ou pode disparar um alarme.

Pulseira para monitorar epilepsia

Os testes envolveram 28 pacientes epilépticos com deficiência intelectual, monitorados em uma média de 65 noites por paciente. Os pacientes também foram filmados para verificar se havia algum alarme falso (falso positivo) ou se a pulseira estaria perdendo algum ataque (falso negativo).

Essa comparação mostrou que a pulseira detectou 85% de todos os ataques graves e 96% dos mais graves (convulsões tônico-clônicas), o que é uma pontuação particularmente alta.

A Dra Johan Arends, coordenadora do consórcio, afirma que a Nightwatch poderá ser usada por pacientes adultos, tanto em instituições quanto em casa. Ela espera que isso possa reduzir o número de casos de SUDEP em dois terços, embora isso também dependa de quão rapidamente e adequadamente os provedores de cuidados ou cuidadores informais respondam aos alertas emitidos pela pulseira.

A tecnologia foi desenvolvida por pesquisadores de Centro de Epilepsia de Kempenhaeghe, Universidade de Tecnologia de Eindhoven, Universidade de Utrecht e Fundação para Instituições de Epilepsia, todas na Holanda.


Fonte: https://www.diariodasaude.com.br/news.php?article=pulseira-avisa-sobre-ataques-noturnos-epilepsia&id=13177
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo