iacess

ergometrica

Anuncie Aqui

Liftech

mobilitec
onlift

Autopedico

Invacare

TotalMobility

Rehapoint
myservice

Tecnomobile

Liftech

Multihortos

Anuncie Aqui

Autor Tópico: Vela adaptada: Mundial em Portimão pode dar retorno de um milhão de euros  (Lida 3535 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline Fisgas

 
Vela adaptada: Mundial em Portimão pode dar retorno de um milhão de euros


Em 2019, Portimão recebeu o Europeu de Vela Adaptada da Classe Hasan. Cidade algarvia organizará Mundial em 2023. No espaço de uma semana apresentou candidatura e bateu a concorrência francesa. Prova europeia registou 11 países, 107 velejadores e deu um retorno de 500 mil euros. Organização prevê dobrar os números daqui a dois anos.

Vela adaptada: Mundial em Portimão pode dar retorno de um milhão de euros( CRÉDITO RODRIGO MOREIRA RATO )
Miguel Morgado-
04.12.2021, 08:30

No espaço de quatro anos, Portimão recebe as duas mais importantes competições internacionais de vela adaptada. Em 2019, entre os dias 5 e 12 de Outubro, acolheu o Campeonato da Europa e, em 2023, igualmente em Outubro, organizará o mundial da classe Hansa.

A Vela Solidária, um projecto da associação Teia D’Impulsos, e a estreita parceria com o Iate Clube da Marina de Portimão formam o eixo comum na organização dos dois eventos internacionais que colocam a cidade costeira algarvia no epicentro da modalidade.

Se em 2019 as águas algarvias ultrapassaram a candidatura de Génova (Itália) e Portimão recebeu a primeira prova internacional de vela adaptada, para 2023, após a desistência da candidatura da Nova Zelândia, a proposta portuguesa ganhou à cidade de Meze (França), organizadora do Europeu de 2017.

Tudo foi apresentado em tempo recorde. “Este ano, durante a participação da selecção portuguesa no Campeonato da Europa Hansa, percebemos que existia a possibilidade de lutarmos pela concretização deste sonho. A Nova Zelândia havia deixado cair a realização do Campeonato do Mundo de 2023 e numa semana, literalmente, em concorrência directa com França, uma das potências da vela mundial, montámos a candidatura”, explicou ao NOVO Luís Brito, dirigente da Teia D’Impulsos, co-organizadora da prova em conjunto com o Iate Clube da Marina de Portimão, clube no qual é dirigente. “Assegurámos os compromissos de parceria e posicionámos Portugal e, especificamente, Portimão para serem o palco da maior prova de vela adaptada no ano de 2023”, continuou.

Com o trabalho de casa feito, o processo foi célere. “Pegámos na candidatura de 2019 e fizemos adaptações e os melhoramentos necessários, pedimos o parecer de impacto à Federação Portuguesa de Vela, IPDJ, Turismo do Algarve, Câmara Municipal e Junta de Freguesia de Portimão e Associação Regional de Vela do Sul, todas as entidades que podiam estar envolvidas, e este foi um aspecto que pesou na decisão”, sublinhou.

Da atribuição da World Sailing (Federação Internacional) destaca que a mesma significa o “reconhecimento do trabalho desenvolvido no campeonato da Europa de 2019” e reforça “o posicionamento de Portugal ao nível da vela adaptada”.

Luís Brito aproveita o palco e dá um recado para dentro. Recua um par de anos, ao europeu. “Nessa altura, a candidatura e a vitória da mesma foi a forma de mostrar à vela portuguesa que temos potencial e condições para sermos um pólo agregador e promotor da vela adaptada”. A vitória de 2023 foi “igualmente contra a desconfiança de alguns”, referiu.

Faltam menos de dois anos para a competição, com data de arranque prevista para 15 a 21 de Outubro de 2023, e Luís Vilar faz contas ao que pode vir a ser a prova. Compara com o Europeu de 2019 e a edição mundial deste ano, em Palermo, na Sicília, evento que contou com a participação de cerca de 180 velejadores de 25 países.

“Vamos ter uma prova com dimensão maior”, promete. E socorre-se dos números do campeonato europeu para perspectivar: “Tivemos 11 países e 107 velejadores e acredito que vamos duplicar.”

Em relação ao retorno financeiro para o país, baseia-se igualmente na anterior competição realizada em Portimão. “Ainda não temos um estudo muito forte, mas, se compararmos com os dados do campeonato da Europa, que rondou o meio milhão de euros, acredito que, ao duplicar países e velejadores, também duplique o impacto. É bem provável o dobro do retorno”, assegurou. Fazendo as contas: um milhão de euros.


Fonte: https://onovo.pt/desporto/vela-adaptada-mundial-em-portimao-pode-dar-retorno-de-um-milhao-de-euros-CD6995602
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Anuncie Connosco Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
     
Voltar ao topo