iacess

ergometrica

Ortopedia Moderna

Anuncie Aqui

mobilitec
Stannah Mobilidade S.A

Autopedico

Invacare

Pros Avos

Ortopediareal
myservice

Tecnomobile

TotalMobility

Multihortos

Drive Mobility

Autor Tópico: Fisioterapia ajuda na reabilitação motora de mulheres após mastectomia  (Lida 41 vezes)

0 Membros e 1 Visitante estão a ver este tópico.

Offline rui sopas

Fisioterapia ajuda na reabilitação motora de mulheres após mastectomia


Universidade em São Paulo oferece aulas gratuitas e alia dança ao processo; inscrições vão até o fim do mês
Ludimila Honorato

10 JUN   2019   07h13

A prática de atividade física após a cirurgia decorrente do câncer de mama é fundamental para restabelecer os movimentos. A fisioterapia se mostra como o principal meio, mas é importante que os exercícios sejam feitos após liberação médica e sob orientação de um profissional. Na capital paulista, a Universidade Cidade de São Paulo (Unicid) oferece aulas gratuitas para mulheres entre 18 e 65 anos e este ano, pela primeira vez, aliou a dança ao processo.

O projeto de pesquisa é realizado na instituição desde 2010 e conta com a participação de alunos do último ano da graduação em fisioterapia. A professora Maria Elisabete Salina Saldanha, coordenadora da proposta, afirma que as técnicas de dança aliadas à fisioterapia visam trabalhar também a imagem corporal e a qualidade de vida dessas mulheres.


"Pensando em práticas integrativas, muito discutidas hoje na saúde, nós pensamos no trabalho com a dança porque poderia motivá-las de forma diferente, trabalhar essa parte funcional de forma mais lúdica, descontraída. Mas permanece os objetivos funcionais e a preocupação com a movimentação", explica a docente.

A fisioterapia é indicação recorrente para as mulheres que passam pela cirurgia de retirada do tumor na mama. A prática é ainda mais importante quando o procedimento retira toda a mama (mastectomia) e parte da região axilar. Mesmo quando a intervenção cirúrgica é menor, médicos recomendam fazer a reabilitação.

"Para uma paciente em quem a cirurgia foi pequena, a sequela pode ser maior dependendo de como ficou depois, se recebeu quimioterapia ou radioterapia, do processo de cicatrização. Tudo isso pode interferir na funcionalidade motora", explica o oncologista Daniel Gimenes, do Grupo Oncoclínicas. "Quando o tratamento é radical, que mexe no músculo peitoral e de forma profunda na axila, atrapalha a dinâmica do ombro, a força do braço e, aliado a isso, tem recomendação de não pegar peso", descreve.

Outra possível sequela da cirurgia é o inchaço do braço relativo ao lado que foi operado. O problema também pode ser amenizado com os exercícios. Segundo Maria Elisabete, todas essas consequências podem surgir anos após a intervenção cirúrgica.

Lucilene Mendes Pereira, de 51 anos, passou por 16 sessões de quimioterapia e mastectomia. Depois disso, foram mais 25 sessões de radioterapia, tudo ao longo de 2017. Ela conta que, "por relaxo", começou a fazer fisioterapia seis meses após a cirurgia. "Tentei fazer minhas coisas, voltar à rotina, mas percebi que eu não tinha meu braço normal do jeito que sempre tive", relata.

No ano passado, ela fez várias sessões de fisioterapia no hospital onde se tratou, mas teve de interromper para realizar a reconstrução mamária em fevereiro deste ano. "Tudo que ganhei com a fisioterapia antes perdi agora."Ela se prepara para retornar aos exercícios e está na expectativa para as aulas oferecidas pela Unicid. "Me interessei porque tudo que agrega ao tratamento é bom. Acho que vai ser bem legal", diz Lucilene, que conheceu o projeto por meio de uma amiga e incentiva a prática até mesmo para melhorar o aspecto emocional.

O oncologista Gimenes também recomenda as atividades, mas o tempo entre a cirurgia e o início delas varia de uma mulher para outra. "Depende do tipo de cirurgia, da recuperação. Em geral, dois meses depois já pode, mas é o cirurgião quem libera", diz. Ele destaca que os exercícios físicos também ajudam durante a quimioterapia. Ele reconhece que incorporar movimentação em um momento como esse é difícil, mas pode colaborar com o tratamento e evitar perda de condicionamento.

Maria Elisabete pontua que o trabalho de fisioterapia com dança também visa melhorar a autoimagem das mulheres. Em uma pesquisa realizada com as participantes do projeto no ano passado, a dificuldade de aceitação devido à mudança da imagem corporal foi uma queixa comum entre elas. "Muitas relataram que o momento da fisioterapia é um momento só delas. Isso foi um dos maiores motivadores para trabalhar uma coisa diferente", diz a professora.

As vagas para participar do projeto, que vão até outubro, são limitadas e a participação é gratuita. Interessadas em se inscrever devem entrar em contato com a instituição pelo telefone (11) 2178-1240. As aulas ocorrem todas as quartas-feiras, das 12h às 13h20, na Unicid, localizada na Rua Cesário Galeno, 475, no Tatuapé, próximo à estação Carrão do Metrô.


Fonte: https://www.terra.com.br/vida-e-estilo/saude/bem-estar/fisioterapia-ajuda-na-reabilitacao-motora-de-mulheres-apos-mastectomia,d04540a1e75c7b9e31c623df064a2a18env3fq7w.html
 

 



Anuncie Connosco Anuncie Connosco Stannah Mobilidade S.A Anuncie Connosco Anuncie Connosco


  •   Política de Privacidade   •   Regras   •   Fale Connosco   •  
       
Voltar ao topo